quarta-feira, 26 de março de 2008

E depois dizem que não há dinheiro

Não há dinheiro para o essencial, mas para o acessório....
- Samantha Fox actua em Junho na Calheta
- Paulo Gonzo é o favorito a encerrar as festas da Calheta.
Ao que parece a cada ano que passa gasta-se mais dinheiro nas festas do concelho. Por acaso já se questionou: Quanto custa as festas do concelho?
Gastam, gastam e depois acontece isto.


Mas que fique claro, que eu também gosto de festanças! E sei que só assim é possível muitos de nós assistir a artistas de vulto.

3 comentários:

Anónimo disse...

... E depois dizem que não se faz nada !

Ainda sou do tempo em que alguns autarcas se gabavam que não tinham dívidas, mas também não tinham obra feita (a não ser grandes casas, algumas próprias outras dos ditos primos do estrangeiro).

Vejam o dinheiro que se queima por esse Portugal fora em "folclores", em perdão de dívidas a familiares, a empresas e a países "independentes" e deixem trabalhar quem está nos lugares com responsabilidades!
Estão , pelo menos, a colocar a Calheta no Mapa.
Ou querem ficar atrás de uma Ponta de Sol, São Vicente ou Porto Moniz?
O dinheirinho vai chegar, agora até será pago antes de 120 dias, diz Socrates!

Anónimo disse...

"Hà gente tão de mal com a vida, que até parece que foi batizado em sumo de limão."

Renato Azevedo disse...

Pessoalmente julgo que este tipo de iniciativas são fundamentais na promoção do concelho, ainda para mais um concelho como o da Calheta com enorme margem na fixação de população. Acredito que na próxima década dar-se-á um "fluxo migratório" a Oeste, já que Funchal, Santa Cruz e Câmara de Lobos estão "pela hora da morte" em termos do mercado imobiliário. Muitos dos madeirenses não fazem ideia da dimensão da Calheta enquanto concelho - conhecem a praia e pouco mais, daí que estas iniciativas sempre ajudam na promoção do concelho