quarta-feira, 3 de março de 2010

Nasce uma flor - a Esperança

Nasce uma flor - a Esperança

Desvalida, sangrando, exangue,
Está minha Princesa....
Aos prantos, choramSeus filhos,
Desesperados,
Sua dor e de tanta tristeza!...

Mas a Princesa é forte!...
Dissabores não a amedrontam...
Sua têmpera rija
Deu a genética inquebrantável de seus filhos!

Das suas veias dilaceradas
Nascerá uma flor...
Fortalecida pela coragem e a dor...

Nestas horas tristes, desesperadas,
Uma aurora de ouro, aconchegante,
Trará sonhos e confiança
Que regarão a flor da Esperança!....

De cor rubra, brilhante,
Na placidez do azul do mar
Navegará a Cruz de Cristo!....

Me seguro a este símbolo augusto
Da minha princesa idolatrada,
Entre outras mil,
Minha terra adorada!....

Por Eleutério Gouveia Sousa

3 comentários:

cambaracomprasonline disse...

muito obrigado pela publicação do poema. A nossa terra permanece sempre em nossos corações e aquela ternura que nos vem da meninice nos leva a sofre e a alegrar-se também com o que acontece na nossa terra.

cambaracomprasonline disse...

Obrigado pela publicação da poesia.Esávamos muito preocupados porque sabemos o quanto a chuva é devastadora. Aqui no Brasil temos problemas conyinuamente muitas vezes por causa do descaso público e também da população. Eleutério Sousa

Eleutério Gouveia de Sousa disse...

Obrigado pela publicação da poesia. Uma imensa ternura perpassa por nossa mente quando pensamos na nossa querida ilha.Nas horas difíceis esse sentimento fica ainda mais forte.

Eleutério Sousa Brasil